Digite embaixo o assunto da sua pesquisa:

Faça aqui a sua pesquisa:

Carregando...

terça-feira, 13 de março de 2012

CHINA - O Império do Centro

UMA CIVILIZAÇÃO MILENAR:


-A civilização chinesa é extraordinariamente antiga e seus registros históricos remontam a mais de 4 mil anos, porém, só a partir do século XIII mantém contatos freqüentes com o Ocidente, por intermédio de mercadores como o italiano Marco Polo.

Rota de Marco Polo

-A partir do século XIX, a influência do Ocidente causa um grande impacto sobre o Império Chinês e a Grã-Bretanha passa a se impor sob os chineses, ao ponto ocorrerem inúmeras guerras, onde podemos destacar à Guerra do Ópio(Em 1839, os ingleses aproveitaram a destruição de um carregamento de ópio (mercadoria que introduziam na China a partir da Índia) para declarar guerra à dinastia manchu. A chamada guerra do ópio terminou com a derrota chinesa. Os ingleses forçaram o Tratado de Nanquim (1842), pelo qual os chineses se comprometiam a abrir ao comércio britânico cinco portos, entre os quais os dois mais importantes do país, Xangai e Cantão, e além disso cediam o de Hong Kong.)

Vapores britânicos destroem navios chineses arcáicos na "guerra do ópio"

-A submissão da dinastia manchu à contínua intervenção externa provoca a Guerra dos Boxers (Revolta dos nacionalistas chineses contra estrangeiros e cristãos chineses ocorrida entre 1900 e 1901.). A rebelião é sufocada com a ajuda de tropas ocidentais e japonesas.

SÉCULO XX : o século das mudanças

-Em 1908, o médico Sun Yat-sen funda o Partido Nacionalista (Kuomintang), em oposição à Monarquia e à dominação estrangeira.
  Sun Yat-sen

-Em 1911 ,apoiado por militares nacionalistas, é proclamado presidente provisório.

-No Ano de 1921 é  fundado o Partido Comunista Chinês (PCCh)
 Mao Tsé Tung e seus camaradas

-Em 1931 a  China é invadida pelo Japão,na região da Manchúria e cria o protetorado do Manchukuô, sob o governo fantoche de Pu Yi, o último imperador da dinastia manchu.

 Japão invadindo a China em 1931

-Entre 1934 e 1935,  90 mil comunistas, liderados por Mao, deslocam-se 9.000 km para a região norte do país ( Grande Marcha), que dá prestígio e uma dimensão quase mítica aos comunistas.

Mapa com o roteiro da Grande Marcha

Mao Tsé Tung na Grande Marcha

-No ano de 1936, o Kuomitang e o PCCh fazem uma aliança contra o avanço japonês.

-Após a rendição japonesa na Segunda Guerra Mundial, em 1945, KMT e PCCh recomeçam suas disputas entre nacionalistas e comunistas.

1949: A REVOLUÇÃO CHINESA

 Mao Tsé tung

- Após muitos anos, os comunistas chegaram ao poder na China, que além da guerra civil também tinha sido arrasada durante os anos que foi invadida pelos japoneses. O país vivia uma grande recessão , onde tanto na cidade como no campo, a fome reinava absoluta. Nesta revolução Mao iria contar da ajuda dos camponeses e sua revolução viria do campo para a cidade.

-O grande líder de 1949 foi Mao Tse-tung, que ao assumir, logo de imediato tratou de fazer uma reforma agrária no pais. Os meios de produção, tais como as  indústrias, os bancos, estrada de ferro, eletricidade, água, telefonia, etc, ficavam sob o controle do Estado.Nos primeiros anos da Revolução, a China foi ajudada pela URSS, onde os chineses passaram a copiar o modelo soviético para vários setores de sua economia e política.

-Com a morte de Stalin( URSS) em 1953, a China passou a ter uma maior autonomia.

-O Grande Salto para Frente: Mao tentou dar um novo direcionamento a sua política econômica e lança a campanha “O grande Salto para Frente” (1958/60), que visava transformar a China em um país desenvolvido e igualitário, porém, o seu programa foi um  grande “fiasco” e fracassou. Para realizar o Grande Salto, Mao forçou os camponeses a criarem grandes comunas populares, ou seja, fazendas estatais, e começou a instalar indústrias siderúrgicas por toda parte.O seu programa de governo foi mal administrado e nem mesmo a natureza foi benevolente com a China, e grandes tempestades e enchentes destruíram as lavouras, deixando o país com uma grande falta de alimentos. A campanha falhou e milhares de camponeses morreram de fome e o sonho de desenvolvimento acabou perecendo.

O grande Salto para Frente

-Entre 1959 e 1960, ocorreu o rompimento sino-soviético.

1966: A Revolução Cultural

A Guarda Vermelha ostentando o Livro Vermelho de Mao Tsé Tung

CURIOSIDADE: 

O Livro Vermelho e a Guarda Vermelha

Milhões de jovens formaram a Guarda Vermelha e usavam uma braçadeira vermelha em um dos braços.Toda a base doutrinária para a ação dos militantes era o célebre "Livro Vermelho" de Mao. 

Para que possamos ter uma ideia, em um dos trechos do livro dizia:

"O pó se acumula se um quarto não é limpo com frequência, nossas faces ficam imundas se não forem lavadas com frequência. A mente de nossos camaradas e o trabalho de nosso Partido também podem ficar empoeirados e também precisam ser varridos e lavados. O provérbio 'a água corrente nunca fica choca e os vermes nunca roem uma dobradiça' significa que o movimento constante impede a contaminação pelos germes e outros organismos". 


         Na verdade os militantes da Guarda Vermelha tinham por encargo desfechar a crítica aos revisionistas, aos direitistas, aos burgueses, aos burocratas do Partido e do Estado e até mesmo àqueles que adotavam estilos ocidentais de comportamentos.Eles não ficavam apenas na crítica e também humilhavam e castigavam todos que resistiam à doutrinação socialista idealizada por Mao Tsé Tung.

         No período em que a Guarda Vermelha atuou, a sociedade chinesa foi abalada por perseguições, execrações e julgamentos sumários em praças públicas. A Guarda Vermelha cometeu muitas atrocidades e espalhou o terror pela China. Também ocorreram muitos conflitos, alguns deles de grande proporção, principalmente no final da década de 1960, envolvendo militantes extremistas da Guarda Vermelha e as massas.




-Depois de tantos desacertos, em 1966 a China faz uma nova Revolução, agora chamada de “Revolução Cultural”. Nesta nova etapa de sua história, Mao Tse tung irá contar com a ajuda dos jovens moradores das cidades para realizar o seu sonho de se perpetuar no poder. Cerca de 20 milhões de jovens estudantes saem as ruas para formarem as Guardas Vermelhas, que fazem atrocidades, tendo como respaldo o governo de Mao. A China agora isola-se do mundo e somente iria se abrir na década de setenta.

A DIPLOMACIA TRIANGULAR

-O grande arquiteto desta chamada “Diplomacia Triangular”, foi o presidente dos EUA Richard Nixon , tendo no seu secretário de Estado norte-americano, Henry Kissinger, o homem responsável pela articulação da nova política .

"Penso que teremos um mundo melhor e mais seguro quando os Estados Unidos, a Europa, a União Soviética, a China e o Japão forem todos fortes e saudáveis, equilibrando-se entre si e não jogando uns contra os outros, um equilíbrio constante"(Cit. por Henry Kissinger, Diplomacia, Gradiva, Lisboa, 1996, p. 615.)

-A partir deste momento o mundo respirava aliviado , uma vez que as duas superpotências e a China, caminhavam  para quem sabe, a paz.

-Em 1972, Nixon visita Pequin , na China, e o mundo fica surpreso a que ponto a Diplomacia Triangular havia chegado.

Nixon e Mao Tsé Tung

OS “GATOS  E AS MOSCAS”


-Com a morte de Mao Tse tung em 1976, a China iria passar por uma profunda mudança. O responsável por tudo aquilo era um homem chamado Deng Xiao Ping. O novo líder chinês buscou modernizar o país e a atrair investimentos estrangeiros par a China.

-Deng sabia que para modernizar a China teria que abrir mão de muitas coisas, entre elas um socialismo fechado.Nascia assim a política dos GATOS e das MOSCAS. Ele sabia que com isto estava trazendo os “males” do capitalismo, porém, também sabia que com o capitalismo, podia tirar o seu país do marasmo econômico dos anos em que a China foi governada por Mao Tse tung.


“Não importa se o gato é branco ou preto. O que importa é que ele pegue o rato.”

“De que me adianta fiar com a janela fechada para impedir a entrada das moscas,abram as janelas. Entraram moscas, mas também entrará a brisa limpa”


CHINA : Pós Mao Tse tung

-Deng Xiao Ping : “Socialismo de mercado // Socialismo com concessões ao capitalismo”
 Deng Xiao Ping

-Podemos entender que a China é atualmente um país “sue generis”, que possui dois sistemas econômicos controlados por um único sistema político. Esse sistema é definido como economia “socialista de mercado” ou como sendo um “socialismo com concessões ao capitalismo”. A China é a economia que mais cresceu no mundo, e os seus produtos invadem todos os mercados mundiais.

-As principais começaram no campo , onde cada família poderia cultivar o que desejassem, embora as terras continuariam pertencendo ao Estado. Depois de entregar uma parte que produzisse ao Estado, poderia vender no mercado o restante e o resultado foi um notável crescimento na produção agrícola chinesa.

-Na verdade a grande revolução veio com a criação de Zonas Econômicas Especiais, Essas zonas econômicas tinham como objetivo atrair investimentos de empresas estrangeiras, que trariam além de capital, tecnologia e experiência de gestão empresarial. Numa tentativa de ampliar suas exportações, a china concedeu quase total liberdade ao capital estrangeiro nessas zonas econômicas, espécie de enclaves capitalistas dentro da China.em várias províncias litorâneas. As primeiras ZEE´s foram implantadas em Shezen, Zhuhai, Xiamen.



-A partir de todas estas mudanças a China passa a ter um desempenho econômico invejável.Sua economia cresceu numa taxa media de 9% ao ano nas décadas de 1980 e 1990. Guangdond, uma província chinesa próxima a Hong Kong, cresceu de forma estratosférica a uma media de 12,5% ao ano desde 1979, sendo no período a taxa mais alta do mundo.


Mas nem tudo "são flores"

-Mas apesar de ter ocorrido esse “milagre chinês”, nem tudo “são flores”.

-É importante salientarmos os problemas deste crescimento bem como suas conseqüências:

-A atração por investidores estrangeiros passa à China passa pelo baixo custo de mão-de-obra muito disciplinada e trabalhadora.
-Por um salário mínimo que não é unificado em todo o país , onde a jornada de trabalho de 12 horas é paga , em média , em torno de 25 dólares.Mas podem ocorrer aberrações, como no caso da província de Fuyian, onde o salário médio de um operário é 65 dólares, em media por mês.
-Outro problema sério é o agravamento das desigualdades sociais e regionais, que tem provocado as migrações internas. Toda esta movimentação é de pessoas que buscam melhoria de vida nas zonas econômicas especiais e as cidades livres de melhores salários.
-O consumismo é outro flagelo da nova China. Suas populações começam a desperta para o consumismo, gerando traumas bem conhecidos no mundo ocidental.Ex: aculturação, mudanças de hábitos saudáveis de alimentação pela “ditadura” dos fast foods, o deseja interminável de se consumir cada vez mais etc.
-Apesar da “abertura “econômica, o país continua uma forte ditadura do PCCh(Partido Comunista Chinês).
-A China ainda apresenta muitos problemas ligados aos direitos humanos, bem como as questões ambientais e de caráter comerciais.

O “DRAGÃO ASIÁTICO” ESTÁ SOLTO



-Mesmo tendo entrado na OMC, a China não respeita as suas regras.Muitas empresas chinesas competem no mercado mundial de forma desleal e avassaladora. É muito difícil competir com um mercado onde os baixos salários e o não respeito de muitas leis trabalhistas, produz produtos cada vez mais baratos.O mundo foi invadido por produtos chineses. A china tem atualmente um parque industrial muito diversificado, porém, tem apresentado um crescimento bem desigual territorialmente, e também setorialmente. As zonas especiais e as cidades abertas crescem muito mais rapidamente, e as empresas privadas e mistas crescem muito mais que os outros.

-A China possui uma política cambial de manter sua moeda( Yuan) artificialmente desvalorizada.Isto gera distorções e as exportações da China para os EUA recuaram menos que as vendas de outros países, como o Brasil.

-A política monetária da China é atualmente uma das principais ameaças à recuperação do comércio mundial.No início da crise Imobiliária nos EUA, a China puxou a recuperação, com seu apetite por commodities, porém, agora, o yuan(moeda chinesa)fraco pode ter efeito contrário, provocando uma nova onda protecionista.

-O governo chinês brigou com o Google, alegando que a censura do governo continuará atenta as empresas que baterem de frente com as determinações oficiais do Estado e as empresas que teimarem em não acatar os regras do país,serão repreendidas.Por outro lado o Google emitiu um comunicado através de seu blog na internet em que ameaça suspender suas operações na China, depois que contas do Gmail de ativistas de direitos humanos que se opõem ao atual regime de governo do país terem sido violadas.

-A questão do Tibet é outro problema que parece não ter fim. Na verdade, a região foi invadida pelos chineses na década de 1950, e de lá para cá sua população foi dominada pelos chineses e seus líderes foram caçados. O Dalai Lama, por exemplo, vive no exílio na Índia.o Tibet é rico em recursos naturais, contando com enorme variedade de aves e animais e com mais de 5.700 espécies vegetais, inclusive plantas medicinais de grande renome, base da medicina tibetana tradicional. Já foram localizadas jazidas de 70 tipos de minerais e os recursos geotérmicos são abundantes, chegando a temperatura da água em alguns poços a 92 graus C.A China não irá entregar esta região e perder todas estas riquezas.



-A questão demográfica é outro grave problema chinês.A taxa de crescimento populacional - após a política do filho único imposto pelo governo comunista em 1980, para frear o aumento da população  teria-se estabilizado em torno de 1,07 ao ano, (-0,4% em comparação à década de 80); enquanto a taxa de fecundidade por mulher em idade fértil caiu para 1,8 filho contra os 4 filhos dos anos 70.

-Porém,o que criou graves problemas foi a diferença entre as meninas e os meninos recém-nascidos, que se agravou com esse plano do filho único.Pela lei biológica de sobrevivência da humanidade, a diferença entre os sexos deveria ser de 102-106 meninos para 100 meninas.Na China, a amédia nacional é de 119 meninos para 100 meninas, chegando, em certas províncias do interior, a 163,8 meninos.As conseqüências são alarmantes e graves porque, na idade de casar, não há um número suficiente de moças para todos os rapazes. 

-Para amenizar essa situação, as famílias em boa situação financeira tentam importar, ilegalmente, mulheres de países vizinhos, mas existe o perigo de as noivas clandestinas receberem multas e serem repatriadas, após um período nas prisões chinesas

-A questão dos suicídios provocados pela nova postura “consumista” e pela pressão que cada vez mais seus trabalhadores das áreas onde encontram-se as ZEE”s vem sofrendo, é outro fator preocupante no país.

-Veja a seguir trecho de uma reportagem publicada em junho de 2010 no site :http://www.esquerda.net/artigo/china-onda-de-suic%C3%ADdios-na-foxconn

China: onda de suicídios na Foxconn

Dos doze trabalhadores, entre 18 e 24 anos, que tentaram suicidar-se, apenas dois sobreviveram. Empresa fabrica o Ipad e o Iphone. Por Tomi Mori, de Tóquio para o Esquerda.net

O suicídio de vários trabalhadores na Foxconn ganhou o noticiário internacional. As mortes nunca foram um grande problema para os dirigentes chineses, mesmo Mao Zedong costumava afirmar que se milhões de chineses morressem numa guerra não seria um problema tão grave assim, dado o tamanho da população do país.

Mas o que tornou os suicídios na Foxconn assunto internacional foi o fato de lá se fabricarem produtos para empresas de ponta da tecnologia mundial. Como os iPhone, iPod e iPad da Apple, de Steve Jobs. Mas também fabrica para a Dell, HP, Sony, Microsoft, Nokia entre outras.

Nas últimas semanas, dos doze trabalhadores, entre 18 e 24 anos, que tentaram suicidar-se, apenas dois sobreviveram. Esses jovens trabalhadores, desesperados com a sua situação, pulam, dramaticamente, das janelas dos alojamentos da empresa.

Na semana passada, quando a empresa tentava abafar essa situação, mais um funcionário faleceu. Dessa vez foi um engenheiro de 28 anos que “morreu repentinamente”. A Foxconn afirma estar a investigar o assunto, mas alega que não há nada que prove que a morte esteja relacionada ao trabalho. O engenheiro , de 28 anos, que casara há apenas três meses, morreu, segundo os seus familiares, por excesso de trabalho. Antes de morrer, tinha trabalhado nada menos de trinta e quatro horas ininterruptas.

Métodos militares

A Foxconn, do empresário Terry Gou, de origem taiwanesa, emprega, só no conglomerado da cidade de Shenzen, onde ocorrem os suicídios, uma imensa mão-de-obra cujo numero é de 400.000 aproximadamente, mas possui um exército de 800.000 trabalhadores em várias unidades espalhadas pelo mundo.
Para obter o maior lucro das suas operações, a empresa optou, segundo observadores externos, por métodos militares no “manuseio” dos seus empregados. Obviamente a empresa nega tais procedimentos, o que não a impediu de processar dois jornalistas do China Business News que escreveram sobre as péssimas condições de trabalho na empresa. Numa entrevista, Steve Jobs afirmou que as condições de trabalho não são tão más assim, já que existem até piscinas e quadras desportivas dentro da fábrica. O que não estaria tão mal assim, tratando-se de uma fábrica, comentou. Isso pode ser até verdade, mas o que Jobs não diz é que os trabalhadores afirmam nunca terem visto nada disso e dizem que, se existem, são para o uso dos executivos da empresa. E mesmo que pudessem utilizá-las, com a longa jornada de trabalho a que estão submetidos, isso seria praticamente inviável.

A Foxconn, na tentativa de amenizar as suas responsabilidades, diz que os suicídios na empresa são estatisticamente menores do que em toda a China, onde aproximadamente ocorrem 14 suicídios para cada 100 mil pessoas. O que nos faz crer que, para a empresa, indo por esse raciocínio, até 56 suicídios não seria um numero tão alarmante, já que corresponderia à média nacional, na medida em que a empresa tem 400 mil trabalhadores.

Obviamente, as mortes provocaram todo o tipo de especulações sobre as causas. Mas parece não ser muito difícil de entender que o motivo é essencialmente econômico, já que os trabalhadores entram na empresa na esperança de melhorar as suas condições de vida. Na sua maioria, jovens que tiveram de sair do campo em busca de uma vida melhor.

Multa por minuto de atraso

Alguns comentários são esclarecedores de como a empresa trata seus funcionários:

“(…) Se uma pessoa se atrasa, tem uma multa de 100 rmb por minuto. Se se recusar a fazer horas-extras, a pessoa pode ser retirada da sua linha. Nem pensar em ficar doente…(…) Conversar durante o trabalho é penalizado com 100 rmb. É proibido usar telemóveis dentro da empresa. O primeiro salário é retido como depósito de garantia para uniformes e outros itens. Eles alegam que vão devolver no final, mas ninguém consegue receber a quantia integral, sofrendo grandes descontos.(…) Temos que dividir o quarto com mais 12 pessoas de diferentes partes da China, que falam dialetos distintos, que não dá para entender.(…) Quando acaba a jornada de trabalho, é preciso correr para tomar banho, antes de a água quente ser desligada. O cansaço é tão grande que muitas vezes deixamos de fazer a refeição matinal para poder dormir mais um pouco.(…) Sofremos assédio sexual dos encarregados, se recusamos esses avanços, temos de sofrer as consequências durante o trabalho. O meu namorado foi agredido pelos seguranças da empresa e teve de ser levado ao hospital.”

A lista de problemas é interminável. Um dos trabalhadores que se suicidou no ano passado, Sun Danyong, de 25 anos, sofreu abusos físicos pela segurança da empresa por ter perdido um protótipo do iPhone. Essa situação fê-lo pular do alojamento onde morava.

A onda de suicídios Foxconn obrigou a empresa a dar um aumento de cerca de 60% que entrou em vigor até Outubro deste ano. Mas mesmo parecendo um numero fantástico, o montante não chega a dar 163 euros, já que anteriormente ganhavam o salário mínimo de cerca de 106 euros.

Apple procura amenizar

O motivo do aumento não foi a preocupação com os funcionários. A Apple decidiu dar 0.7% (menos de 1%!) dos lucros dos produtos fabricados pelos chineses para amenizar a situação. O objetivo dessa atitude é esconder dos consumidores que os artigos da mais alta tecnologia, como o iPad, são produzidos com a super-exploração que leva, inclusive, a uma onda de suicídios As grandes empresas não querem que os nomes das suas marcas sejam vinculadas a essas mortes.

Na semana passada, a Foxconn anunciou que não vai mais pagar as indenizações às famílias de trabalhadores que se suicidarem. Por que um dos motivos que pode ter levado a vários suicídios seria o de que as famílias receberiam indenização. Um valor, ainda que pequeno para o nível europeu, significativo para os padrões chineses, já que corresponderia a cerca de 10 anos de trabalho. Mas que do ponto de vista de quem se suicida seria uma maneira de encurtar, com a vida, o sofrimento de ter que passar toda a existência numa situação em que “a máquina passa a operar o homem”, aliviando, ao mesmo tempo, economicamente os familiares.

Os aumentos recebidos pelos trabalhadores da Foxconn ficaram conhecidos por toda a população chinesa. Assim como os aumentos recebidos pela luta dos trabalhadores das unidades da Honda que se mobilizaram nas últimas semanas. São esses dois acontecimentos que estão na origem da atual onda de greves que ocorre na China, já que serviram de exemplo, demonstrando que, sem luta, não há melhorias. E é também o motivo pelo qual o governo chinês tem censurado as notícias sobre as greves.








China ultrapassa Japão e já é a segunda maior economia do mundo







           A China superou o Japão. Já é a segunda maior economia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.O número oficial do crescimento econômico do Japão ficou bem abaixo do chinês: 3,9% em 2010. No ano passado, a China cresceu 10,3%. O PIB japonês foi de US$ 5,4 trilhões, e o PIB chinês, de US$ 5,8 trilhões.
 .


VEJA A SEGUIR AS 10 MAIORES ECONOMIAS MUNDIAIS:






Prof. Kléber




.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Prof.

    Sou aluna do Exatas taguatinga e tive algumas dúvidas pertinentes à China em dois items do segundo vestibular de 2006.

    20. A urbanização é um dos fenômenos sociais que foram influenciados pelo atual processo de modernização vivido pela China.
    Gabarito: C

    Não entendi o porquê do certo, sendo que só as ZEE's tiveram a liberdade de um capitalismo de mercado forte, consequentemente provocando ampla urbanização nessses locais. Mas o resto do país continuou agrário com pessoas "presas" aos campos p/ produzir alimentos para tanta gente deste imenso país.

    22. A China desponta atualmente como líder na região do bloco do Pacífico, superando, economicamente, o Japão e dominando os fluxos de mercadorias e capitais.
    Gabarito: E

    Considerando que a prova é de 2006, a China realmente não havia superado o Japão economicamente. Mas há algum outro erro neste item?

    Obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir