quarta-feira, 28 de agosto de 2013

ORIENTE MÉDIO - De Abraão à Bin Laden

ORIENTE MÉDIO



-O Oriente Médio correspondente a uma área de tensão constante pelos interesses que desperta nas principais nações do Globo, principalmente dos pontos de vista político, econômico e estratégico.

-A Região mostra grande complexidade étnico-cultural. A posição geográfica é privilegiada, pois permite acesso fácil aos demais continentes.

-Os conflitos são constantes no Oriente Médio. Em muitos casos o fundamentalismo (radicalismo) provoca atitudes extremas no cotidiano da Região.

-O Ocidente, em grande parte, também pode ser responsabilizado pela instabilidade nessa área. O petróleo é um dos produtos de maior interesse dos países ocidentais.

-Dizer que os conflitos existentes no Oriente Médio são exclusivamente religiosos e que só eclodiram nas últimas décadas é, no mínimo, desconsiderar os milhares de anos de história das civilizações que aí se desenvolveram ou que dominaram o Oriente Médio, na forma de grandes impérios.

-As questões geoestratégicas, como ponto de ligação dos continentes – Asiático, Europeu e Africano –, facilitando a integração por via terrestre e marítima e as condições naturais, com grandes desertos, implicando baixa oferta de água potável, solos férteis, rios perenes e formações vegetacionais, vieram a se somar nas últimas décadas à descoberta e exploração da maior reserva, até agora conhecida, de petróleo, em seu subsolo (Golfo Pérsico).



AS TRÊS GRANDES RELIGIÕES MONOTEISTAS:



O Judaísmo



-Baseada nos livros antigos, que serviram de base para a elaboração do Velho Testamento e não tem o aspecto missionário, portanto a expansão do Judaísmo tem como fator principal a dispersão (diáspora) do povo judeu. O número de seguidores não ultrapassa 20 milhões.Tem como crença principal a existência de apenas um Deus, o criador de tudo. Para os judeus, Deus fez um acordo com os hebreus, fazendo com que eles se tornassem o povo escolhido e prometendo-lhes a terra prometida.


-A Torá ou Pentateuco, de acordo com os judeus, é considerado o livro sagrado que foi revelado diretamente por Deus. Fazem parte da Torá : Gênesis, o Êxodo, o Levítico, os Números e o Deuteronômio. O Talmude é o livro que reúne muitas tradições orais e é dividido em quatro livros: Mishnah, Targumin, Midrashim e Comentários.



O Cristianismo



-Esta religião monoteísta nasceu entre os povos dominados pelo Império Romano, há cerca de 2 mil anos. Além de partilharem com a tradição judaica, respeitando o Velho Testamento, o cristianismo, ao contrário dos primeiros, acredita que Cristo é o Filho de Deus, enviado à Terra para salvar a humanidade, somando aos livros antigos os ensinamentos do Messias por meio do Novo Testamento.


-A religião fez tantos seguidores que no ano de 313, da nossa era, o imperador Constantino concedeu liberdade de culto. No ano de 392, o cristianismo é transformado na religião oficial do Império Romano.

-Com o passar dos tempos, o cristianismo foi se subdividindo, e hoje, além da religião católica apostólica romana, o protestantismo é seguido por milhões de fiéis, como resultado direto do luteranismo alemão, o calvinismo francês e o anglicanismo inglês.



O Islamismo



-Esta religião nasceu dos ensinamentos do profeta Maomé (570 – 632), que combatia a prática do politeísmo existente entre os povos árabes, pois esse era um fator desagregador que facilitava o domínio da região por povos numericamente inferiores, mas superiores na organização econômica, política, social e militar, graças à prática monoteísta. O grande profeta do Islã sofreu forte oposição das tribos guardadoras da Caaba – a pedra negra –, que praticavam o politeísmo na cidade de Meca, sendo expulso para Iatreb (atual Medina – Cidade do Profeta).


-O ano da Hégira(622 dC) marca o início do calendário Islâmico, portanto eles estão vivendo no ano de 1380.Com a morte do profeta (632 dC), o Islã se dividiu em duas correntes devido à briga pela sucessão da liderança Islâmica. O Xiismo reconhece o direito de liderança apenas aos descendentes diretos do grande profeta, como exemplos os aiatolás, o Sunismo, um conflito de normas (direitos) islâmicas organizadas, segundo os exemplos do profeta, reconhece o poder temporal, criando lideranças independentes dos laços familiares com Maomé, como exemplo os Califas.





PRINCIPAIS FATOS PÓS-1947



1947



Partilha da Palestina em dois Estados : um para os judeus e outro para os palestinos






-A porção judia teria 14 mil quilômetros e para os palestinos, a área seria bem menor: 11.500 quilômetros. Outro ponto a ser destacadoi é que a cidade de Jerusalém , localizada no interior da Cisjordânia, teria status internacional.

-A partilha feita pela ONU entre palestinos e os judeus, desencadeou inúmeros protestos por parte da comunidade muçulmana , por todo o Oriente Médio.A partir desta divisão as coisas iriam se “esquentar” na região.



1948/9



-Criação do Estado de Israel em 14 de maio de 1948, fato este que iria gerar um grande desconforto na região




-No ano de 1948, ocorreria a criação do Estado de Israel , o que colocaria os palestinos em pé de guerra com os judeus. Neste caso, os palestinos levaram a pior e acabaram sem nenhum país e ficaram dispersos pelos países vizinhos, entre eles a Jordânia, ou confinados em regiões pobres de Israel.


-O mundo árabe não aprovando a criação do Estado de Israel tentam impedir que o fato se consumasse, porém , o poder bélico de Israel levou o país a vitória.



1954



-Gamal Abdal Nasser torna-se o presidente do Egito. A partir desse momento Nasser irá se destacar pela forte presença em conflitos com Israel nos anos seguintes, tornando-se um dos grandes líderes "Terceiro mundistas" de sua época. Com ele surgiria o "PANARABISMO" e o "Nasserismo".


Nasser




1956



-O Egito do presidente Nasser, nacionalizou o canal de Suez, provocando um ataque por parte de França e Inglaterra e a invasão israelense no Sinai e na faixa de Gaza. Apesar da vitória dos três países, os EUA e a URSS, forçaram as suas saídas da região.


-Em 1954, Nasser torna-se o presidente do Egito e numa atitude de combate ao colonialismo anglo-francês,nacionalizou o Canal de Suez e proibiu a navegação de navios israelenses por aquela rota e o fechamento do porto de Eilat, no golfo de Ácaba.É claro que suas medidas não foram muito bem aceitos pelas potências européias e pelos judeus, que iniciaram uma guerra contra Nasser.

-No primeiro momento do conflito os egípcios foram derrotados , porém, logo depois aos os Estados Unidos e a União Soviética interferiram na contenda e obrigando os três países a retirarem-se dos territórios ocupados.



-Por fim, o Canal de Suez voltava, definitivamente, para o Egito, mas com o direito de navegação estendido a qualquer país que quisesse por ele passar.



1967



-Entre os dias 5 e 10 de junho/67 ocorreu a Guerra dos Seis Dias, onde Israel atacou o Egito, a Jordânia e a Síria, conquistando do Egito a península do Sinai e Gaza, da Jordânia a Cisjordânia e Jerusalém Oriental e da Síria as colinas de Golã .





1973



-No dia 6 de outubro de 1973, os egípcios e os sírios atacariam Israel , em pleno Yom Kippur, ou Dia do Perdão, comemorado pelos judeus. No início os árabes levaram vantagem, e o Egito obteve de volta um trecho da península do Sinai, a Síria recuperou as Colinas do Gola.


-Este conflito ocoreu durante o feriado judeu do Yom Kippur (Dia do Perdão), quando o Egito e a Síria fizeram uma ofensiva surpresa que encontrou um contra-ataque fulminante por parte de Israel. -Com a ajuda dos Estados Unidos, os israelenses venceram o conflito em 19 dias reconquistando as terras que tinha conquistado em 1967.




1975



-Tem início a guerra civil libanesa que colocava em conflito cristãos maronitas , contra muçulmanos de origem sunita, xiitas e drusos. Este conflito acabou envolvendo sírios e israelenses e durou até 1990.


Beirute destruída pelos bombardeios





1979



-Neste ano ocorreu a Revolução islâmica no Irã, onde o Aiatolá Khomeini , volta do exílio em Paris e tira do poder o Xá Reza Pahlev , que estava ocidentalizando um país que tem uma população predominantemente xiita.


 Aiatolá Khomeini 



-Em 1979 também ocorreu o acordo de Camp David, onde Israel e Egito, intermediados pelos EUA selaram um acordo de paz, onde Israel devolvia o Sinai e o Egito se comprometia a não atacar mais os judeus.


Anuar Sadat(Egito), Jimmy Carter(EUA) e Menahein Begin(Israel)



1980



-A Partir da revolução iraniana, Saddan Hussein, líder do Iraque , ataca o Irã , tendo o apoio dos EUA e de alguns países da Europa. Este conflito durou até até 1988, com cerca de 400 mil iranianos e 300 mil iraquianos mortos.





1981



-Anuar Sadat é assassinado por um extremista muçulmano, que era contra a iniciativa de paz entre Egito e Israel, assinado em 1979 (Camp David).








1987



-Neste ano ocorreu a primeira “Intifada”, movimento de rebelião palestina nos territórios ocupados, que fortemente reprimida com violência pelo Exército israelense. Esta rebelião durou até 1993.









1990




-Este conflito ficou conhecido como a “Guerra do Golfo” e envolveu o Iraque de Saddam Hussein, que invadiu o Kuweit , tendo como objetivo, sua anexação , e com isto controlar o seu petróleo e ter uma maior saída para o Golfo Pérsico.


-Esse conflito que teve início em agosto de 1990, entre o Iraque e o Kuwait na região do Golfo Pérsico. Mas que também envolveu os Estados Unidos e alguns países do Oriente Médio. O Iraque era de anexar seu vizinho Kuwait ao seu território como uma província, de forma a controlar o petróleo kuwaitiano. Com isso em 1990, começaram os ataques da imprensa de Bagdá contra o pequeno país.A invasão iraquiana de 100 mil soldados no Kuwait. Boa parte da família real kuwaitiana conseguiu fugir. Somente a força aérea do Kuwait demonstrou alguma resistência durante a ocupação. 


-A ONU estabeleceu um prazo de até 15 de janeiro de 1991 para a retirada das tropas que ocupavam o Kuwait, porém,antes disso, os Estados Unidos já preparavam um contra-ataque. Até o fim do prazo estabelecido, as tropas da ONU começavam a chegar aos países vizinhos como Turquia e Arábia Saudita. 


-Saddan usou de varais estratégias para vencer o conflito, numa delas , na tentativa de envolver outros países árabes, os iraquianos atacaram Israel com mísseis scrud, de fabricação soviética. Tendo em vista a idéia de que se Israel respondesse ao ataque, provavelmente os outros países árabes iriam apoiar o Iraque e se retirariam da aliança anti-Iraque. No entanto, a diplomacia e o dinheiro norte-americano foram fundamentais. Pois com isso os EUA conseguiram convencer Israel de não contra-atacar e premiaram-no com baterias antimísseis patriot. 



-Outro recurso usado pro Saddan foi o  ecoterror, ou seja,foi o despejo de petróleo no golfo Pérsico e, quase ao final da guerra, incêndio das instalações petrolíferas do Kuwait. Cerca de um mês após o início da guerra, o Iraque, submetido a pesados bombardeios e a um avanço rápido das tropas terrestres da aliança, anunciava a devolução do Kuwait pela rádio de Bagdá, em 28 de fevereiro de 1991.


-Com essa atitude, o Iraque conseguiu perder a guerra sem perder território ou sequer tirar Saddan Hussein do poder. A rápida derrota do Iraque surpreendeu o mundo, que esperava uma resistência muito maior e o uso de todo o arsenal de Saddan. Dessa guerra saíram diversos vencedores, entre eles os Estados Unidos assumindo seu papel de única potência mundial, o Egito por ter apoiado os EUA ganhou prestígio e força. Em compensação o Iraque, além de ter perdido a guerra, ainda saiu enfraquecido, perdendo o seu prestígio e Saddan Hussein ficaria isolado dentro do seu país.

- Esta Guerra acabou envolvendo os EUA, que saíram na defesa do Kuweit e fizeram com que Saddam recuasse para dentro do Iraque.



1993



-Acordo de paz de OSLO I , que previa a devolução de territórios aos palestinos. Também chamado de Gaza-Jericó.

Em 1993, Arafat e Rabin assinaram o Acordo de Oslo, que reconhecia o estabelecimento da Autoridade Nacional Palestina (ANP) em parte da Faixa de Gaza e na cidade de Jericó. O acordo foi marcado pelo histórico aperto de mãos dos dois líderes, no gramado da Casa Branca.
  



Yitzhak Rabin(Israel),Bill Clinton(EUA) e Yasser Arafat(ANP)

1995



-Acordo de paz de OSLO II, que previa uma maior autonomia palestina na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. No dia 28 de setembro de 1995, novo acordo foi firmado (Oslo II), ampliando o controle da ANP sobre as grandes cidades da Cisjordânia, exceto Jerusalém.

-Neste ano foi assassinado em novembro o primeiro ministro de Israel Yitzhak Rabin


1998

-Neste ano foi assinado o acordo de paz entre palestinos e judeus : Wye Plantation. Pelo acordo de Wye Plantation (1998), Israel faz novas retiradas na Cisjordânia, até março de 2000.


2000



-Intifada II ou Al Aqsa- seu estopim é uma caminhada do israelense Ariel Sharon na Esplanada das Mesquitas, gerando inúmeros protestos por parte dos palestinos.Essa nova  Intifada , ocorreu quando o primeiro Ministro de Israel “desfilou” em Al Aqsa , o terceiro local mais importante e sagrado para os muçulmanos, depois de Meca e Medina.O gesto feito por Sharon era para afirmar a soberania sobre o local.


Sharon em Al Aqsa - Pura provocação aos palestinos

2001

-Atentados do 11 de Setembro e a Doutrina Bush : No dia  11 de setembro de 2001, ocorreu o  maior atentado terrorista da História, destruindo  as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, e o edifício do Pentágono, em Washington. Aviões civis sequestrados foram utilizados para atingir os alvos, onde mais de 3000 pessoas morreram nos ataques.Acredita-se que Nova York foi escolhida por causa da repercussão do ataque: as torres do World Trade Center eram um símbolo do poderio americano, reunindo corretoras de valores e empresas nacionais e estrangeiras, e reuniam numa pequena área uma grande concentração de pessoas.

-A organização responsável pelos ataques foi a Al Qaeda (organização islâmica radical), liderada pelo milionário saudita Osama Bin Laden.
Após os atentados, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou na ocasião que os terroristas seriam encontrados e entregues à justiça e declarou também que as nações que apoiam e protegem os terroristas poderiam sofrer represálias. Nascia assim, a chamada DOUTRINA BUSH ( A doutrina dos ataques preventivos). Apoiados pela maior parte da comunidade internacional, os Estados Unidos iniciaram em 7 de outubro de 2011  os bombardeios ao Afeganistão, país que abrigava Osama Bin Laden e era governado por uma milícia islâmica radical, o "Talibã".



2003


-O Mapa da Estrada – este novo acordo de paz entre judeus e palestinos previa medidas graduais para a criação de um Estado Palestino em 2005.Esse novo acordo foi assinado em  junho de 2003 sendo  denominado "mapa da paz" ou "mapa da estrada/caminho", elaborado pelo quarteto: Estados Unidos/ Rússia/ ONU e União Européia,(além  dos representantes de Israel e dos palestinos. Este novo mapa da paz prevê a criação do Estado Palestino em 2005. A etapa inicial previa o imediato cessar fogo, algo que não foi respeitado pelos grupos extremistas islâmicos e nem pelas forças israelenses.





-Guerra do Golfo II - -Depois dos atentados do 11 de setembro de 2001, os EUA passaram a adotar uma nova política internacional , baseada na chamada “Doutrina Bush”. A partir desta nova doutrina, os norte americanos começaram a procurar Bin Laden e posteriormente, acusaram Saddam Hussein de possuir armas de destruição em massa.






-Com esta retórica, os EUA não respeitaram nem mesmo a ONU e invadiram de forma arbitrária o Iraque na madrugada do dia 20 de março de 2003. A coalisão mi¬litares dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, apoiadas por 34 países, iniciaram uma operação bélica contra o Ira¬que, sem o devido respaldo do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.
-Apenas três semanas mais tarde, em 9 de abril, as forças da coalizão consegui¬ram o objetivo de derrocar Saddam Hussein do poder e ocupar a totalidade do país.



2004



-Em outubro de 2004 morria Yasser Arafat, líder dos palestinos.





2005



Em 2005, Israel finaliza a retirada unilateral de todos os 21 assentamentos judaixos da Faixa de Gaza e de quatro pequenos acampamentos da Cisjordânia.

Na verdade isto é o mais próximo que os palestinos tiveram da formação de um Estado.



2006



-Ariel Sharon entra em coma.Em seu lugar entra Ehud Olmert , que pôe na estaca zero as negociações de paz entre árabes e judeus.





-Após a captura de dois soldados israelenses pelo grupo terrorista do Hezbollah , Israel impôs um bloqueio total ao Líbano partiu para um ataque maciço ao Líbano em julho de 2006.

-Os ataques visavam recuperar os seus dois soldados raptados e os principais alvos libaneses foram os aeroportos e os navios nos portos de Sídon, Tiro, Beirute e Tripoli.
-O conflito durou até agosto de 2006 e ambos os lados comemoraram vitória.



2008/9



-No dia 27 de dezembro de 2008 Israel empreendeu os primeiros ataques a Faixa de Gaza, alegando que se tratava de uma resposta aos disparos quase diários de foguetes por parte do grupo radical islâmico Hamas sobre Israel.Os ataques israelenses são os mais violentos dos últimos tempos , sendo o Hamas o alvo dos ataques, porém, muitos civis acabaram vítimas dos bambardeios de Israel.O plano básico de Israel seria forçar o Hamas a uma nova trégua, como aquela rompida em 19 de dezembro de 2008. Sua principal tática seria o fechamento de Gaza. -Depois de muitos protestos internacionais, no dia 21 de janeiro/2009 o exército israelita concluiu a sua retirada da Faixa de Gaza, sendo que este conflito deixou um saldo de 1330 mortos palestinos e 5450 feridos.



2010



-Israel ataca uma flotilha humanitária e mata 10 ativistas que levavam ajuda internacional a Faixa de Gaza, território palestino bloqueado por Israel desde 2007.




2011

- Osama bin Laden, líder da rede terrorista Al Qaeda, foi morto com um tiro de um dos cerca de 20 militares da Marinha dos Estados Unidos que invadiram, de helicóptero, sua mansão de alta segurança em Abbottabad, a cerca de 50 km da capital paquistanesa.A operação durou 40 minutos e deixou ainda um dos filhos de Bin Laden, uma mulher e dois homens mortos. Nenhum militar americano ficou ferido.



PROFESSOR KLÉBER

terça-feira, 27 de agosto de 2013

ÁFRICA


ÁFRICA : UM CONTINENTE EM AGONIA


UM CONTINENTE MUITO BEM POSICIONADO



-A África limita-se ao Norte pelo Mar Mediterrâneo, ao Oeste pelo Oceano Atlântico e ao Leste pelo Oceano Índico.(Atualmente possui 54 países)
-De modo geral o continente pode ser dividido em duas zonas muito diferentes:
-Centro-norte: é dominado pelo imenso deserto do Saara (8.600.000 de km2), -Centro-sul : depois de percorrer-se as savanas, é ocupado pela floresta tropical africana.

DIVISÕES DO CONTINENTE AFRICANO

I- Quanto a Posição Geográfica: dessa forma, classifica-se o continente em cinco regiões distintas quanto a sua posição geográfica: Norte da África(Setentrional), Oeste da África(Ocidental), África Central, Leste da África(Oriental) e Sul da África(Meridional/Austral)
.

Subdivisões da África para fins estatísticos usada pela ONU.

██ África do Norte do  de - azul
██ África Ocidental - verde
██ África Central - rosa
██ África Oriental - laranja
██ África Austral - vermelho

II- Quanto a divisão Sócio-Econômica -A África pode ser dividida de suas formas básicas: África Branca e África Negra ou Subsaariana.

OBS:
-É importante destacarmos que esta separação geográfica também refletiu-se numa separação racial. No Norte do continente habitam os árabes, os egípcios, os berberes e os tuaregues , ao passo que no Centro-Sul, ao contrário, habitam mais de 800 etnias negras africanas.
-Muito do atraso atribuído a porção meridional do continente é creditado ao isolamento geográfico que a população negra encontrou-se através dos séculos.

O NEOCOLONIALISMO E A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA

PERÍODO ANTERIOR AS GRANDES NAVEGAÇÕES:

-Durante muitos séculos os europeus tiveram pouco interesse pela áfrica. De modo geral, poucas forma as regiões que despertaram o desejo de colonização européia.
-Durante muitos anos, os europeus procuraram ter mais acesso as faixas litorâneas.


- Por outro lado, mesmo antes da chegada dos traficantes de escravos europeus, os árabes já praticavam o comércio negreiro, transportando escravos para a Arábia e para os mercados do Mediterrâneo oriental, para satisfazer as exigências dos sultões e dos xeques. As guerras tribais africanas, por sua vez, favoreciam esse tipo de comércio, visto que a tribo derrotada era vendida aos mercadores.

GRANDES NAVEGAÇÕES
-Com as Grandes Navegações e o processo de colonização da América, os europeus passaram a investir um pouco mais na África. Durante os primeiros quatro séculos – do século XVI a metade do XIX – de contato dos navegantes europeus com o Continente Negro, a África foi vista apenas como uma grande reserva de mão-de-obra escrava, a “madeira de ébano” a ser extraída e exportada pelos comerciantes e mais alguns poucos recursos do extrativismo minerais,vegetal e animal.


-Comércio Triangular: os europeus inseriram a África Negra no comércio triangular basicamente como fornecedora de mão-de-obra escrava para as colônias americanas e antilhanas. O comércio era bem simples: enquanto a Europa importava produtos coloniais, trocava suas manufaturas (armas, pólvora, tecidos, ferros e rum) por mão-de-obra vinda da África. Os escravos eram a moeda de troca com que os europeus pagavam os produtos vindos da América e das Antilhas para não precisar despender os metais preciosos, fundamento de toda a política mercantilista. 





DESCOLONIZAÇÃO DA AMÉRICA E O NEOCOLONIALISMO

-Coma a descolonização da América, os europeus passaram a buscar novas terras para poderem dominar e substituir as colônias perdidas.A partir do momento que a África não podia mais fornecer escravos, o interesse das potências colônias inclinou-se para a sua ocupação territorial. Os europeus estavam de olho nas riquezas minerais e o potencial agrícola da região ,bem como iniciavam uma acirrada competição imperialista entre eles, especialmente após a celebração da unificação da Alemanha, ocorrida em 1871.


Charge sobre a Conferência de Berlim


A CONFERÊNCIA DE BERLIM -1884 A 1885

-Com o interesse que os demais países da Europa reconhecessem a Alemanha como uma potência, o chanceler alemão Otto von Bismarck,chanceler do II Reich alemão,convidou 12 países com interesse na África a se reunirem em Berlim - entre novembro de 1884 a fevereiro de 1885 -, para a realização de um congresso.

-O congresso de Berlim deu enorme impulso à expansão colonial. Sua lógica era a “Política do dividir para dominar”.

-A política do dividir para dominar era baseada na ideia de se aproveitar da rivalidade entre dois grupos étnicos locais, ou se fosse necessário, criá-la caso não existisse e a partir daí tomar partido de um deles. Com o apoio do grupo étnico escolhido, a quem davam armas e meios para subjugar os rivais, os europeus controlavam toda a população da colônia.




-De modo geral , todas as potências conduziam a conquista da mesma forma:

-Força bruta, dividindo para dominar

-Uso de soldados que eram principalmente africanos e não europeus





O SÉCULO XX : DA PRIMEIRA A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

-As duas grandes guerras mundiais que devastaram boa parte da Europa durante a primeira metade do século XX, deixaram aqueles países sem condições para manterem um domínio econômico e militar nas suas colônias asiáticas e africanas.

-Todos estes problemas, associados a um movimento independentista que tomou uma forma mais organizada na Conferência de Bandung( 1955 – Indonésia), levou as antigas potências coloniais a negociarem a independência das colônias, iniciando-se o processo de descolonização tanto na Ásia como na África.




-Na Europa também surgiam movimentos contrários ao imperialismo do velho continente na África, vindos principalmente da intelectualidade europeia que depois do fascismo e do nazismo , não concordavam com a subjugação de povos e nações.

DESCOLONIZAÇÃO AFRICANA:

-Após a Segunda Guerra Mundial a Europa ficou bastante debilitada no âmbito político e econômico. O enfraquecimento europeu fez ressurgir movimentos de luta pela independência em todas as colônias africanas e no decorrer da década de 1960, os protestos se multiplicaram e muitos países europeus concederam pacificamente independência às colônias.




-Mas a independência de alguns territórios se efetivou anos mais tarde depois de prolongados e desgastantes confrontos entre nativos e colonizadores.

-As antigas colônias europeias se transformaram em países autônomos, porém,a partilha do território foi realizada pelas nações europeias, que não consideraram as divergências étnicas existentes antes da colonização e com isto os territórios estipulados pelos colonizadores separaram povos de mesma característica histórico-cultural e agruparam etnias rivais.

-Estava desenhado o mapa da tragédia africana. Com as heranças da Conferência de Berlim, surgia após a II Guerra Mundial uma África bastante dividida e as iniciativas tomadas na partilha feita nos século XIX ,produziu instabilidade política, que resultou em diversos conflitos entre grupo étnicos rivais.

-Mesmo depois da independência , as minorias africanas continuaram sendo reprimidas por grupos majoritários, assim como acontecia no período colonial.

-Atualmente o continente está fragmentado em 54 países independentes, podendo acrescentar mais um novo país, caso o Saara Ocidental seja reconhecido como um país independente( O Saara Ocidental declarou sua independência no início da década de setenta e resistiu à ocupação marroquina, que se estendeu por todo o território. Os combates duraram até 1991, quando a ONU promoveu um cessar-fogo. Os dois lados se comprometeram a participar de um referendo para que a população decida o futuro do Saara Ocidental).

Veja a seguir o mapa dos conflitos existentes no continente africano:




ÁFRICA – PÓS-SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

1.  África Branca (Saariana) – Norte do Continente

-Apresenta “maior” desenvolvimento do extrativismo: mineral, combustível e aurífero
-Formada por: Berberes,Camitas, Semitas, Árabes, Egípcios e Europeus

2.  África Negra (Subsaariana) – Sul do Saara até a RSA

-Maior concentração da miséria
-Bantos, Sudaneses, Pigmeus, Bosquímanos etc

O MAIS EXCLUÍDO DOS CONTINENTES - CARACTERÍSTICAS GERAIS:

-Terceiro maior continente do mundo

-Localizado no centro imaginário do planeta

-75% do seu território encontra-se na zona tropical do globo

-Possui 54 países e uma possessão (Saara Ocidental). Obs: No início de 2010, o Sudão foi dividido e agora surge mais um país no continente, o Sudão do Sul.




-Existe cerca de 3 mil grupos étnicos e mais de mil línguas

-40% da população analfabeta

-Os índices de desemprego são alarmantes

-71% dos casos de HIV positivos estão na África (principalmente na região do Sahel)

-Elevada taxa de mortalidade – média de 86  por mil





-20% das crianças morrem antes de completarem 05 anos




-Pior renda per capita do planeta

                        1980 – U$ 750,00 / ano
                        1990 – U$ 700,00 / ano Pior renda per capita do planeta                     

-A Expectativa de vida está abaixo de 50 anos na maior parte dos países africanos, e abaixo de 60 anos, em todos os países, exceto para a África do Norte.

-Apresenta as maiores concentrações de renda do mundo

-Apresenta os piores IDH´s do mundo



-Grande presença de conflitos étnicos

-Apesar de toda situação adversa a taxa de natalidade configura entra as maiores do mundo
                                     -Etiópia – 53 por mil
                                     -Angola – 51 por mil
                                     -A média é de 7 filhos por   mulher

OBS: A dependência econômica e a má distribuição de renda configuram nas grandes causas da miséria dos países subdesenvolvidos.

-A África é um continente com inúmeros focos de tensões que tem suas origens advindas de inúmeros motivos diferentes. Para entendermos a geografia destes conflitos temos que buscar no passado a maior parte das respostas. A maneira pelo qual o continente foi dividido na Conferência de Berlim(1884/5), pode ajudar a desvendar boa parte deste”mistério”.

-O  modo pelo qual o continente foi dividido e a chegada dos europeus a região, trouxe a perda da harmonia. A política do “dividir para dominar” criava colônias onde grupos  rivais eram estimulados a se odiarem.

-No processo de colonização os países europeus se reuniram em Berlim, em uma Conferência, para definir a divisão do espaço africano para que esse fosse administrado e explorado por uma das nações envolvidas na reunião. As fronteiras impostas pelos europeus não levaram em conta as disparidades étnicas existentes no continente, esse ato equívoco provocou a separação de grupos aliados, união de grupos rivais e assim por diante. Ao agrupar de forma desordenada e sem analisar a estrutura social, cultural, religiosa promoveu uma grande instabilidade em vários pontos da África. 


CASOS ESPECIAIS NO CONTINENTE AFRICANO:

-SAHEL: Faixa de transição na porção periférica meridional do Saara, o Sahel é uma área marcada pela ocupação desordenada, que compromete a vegetação original e pode contribuir para o rápido avanço da desertificação.


-ÁFRICA OCIDENTAL: Guerras civis em Serra Leoa e Costa do Marfim, de origem étnica e tribal, por exemplo, além de remeterem suas economias a patamares ainda mais baixos, vitimam anualmente um número inestimável de pessoas.



-NIGÉRIA: Verifica-se ali a manutenção, por décadas, de uma guerra civil envolvendo diversas etnias, inúmeras tribos e dois grandes grupos religiosos: cristãos, ao sul, e muçulmanos, ao norte.O fundamentalismo islâmico e a disseminação de igrejas evangélicas onde os pastores estão acusando crianças de serem bruxas e cobrando altas taxas para exorcizá-las. 




-SUDÃO: Os conflitos em Darfur, oeste do país, ilustram o quadro de instabilidade do país, que desde sua independência não conseguiu vingar um processo de desenvolvimento autônomo. A independência do Sudão do Sul foi aprovada em referendo com 98,83% dos votos, informou no dia 7 de fev/2011  a Comissão Eleitoral.A maior parte das reservas petrolíferas sudanesas fica no sul, mas a infraestrutura está no norte, o que obrigará a uma cooperação econômica entre os dois países e deve tornar um conflito armado prejudicial para ambos os lados.O novo país já surge com inúmeros problemas e existe a possibilidade de conflitos futuros entre os dois países.




-ANGOLA: foi Colônia de Portugal e sua independência aconteceu somente em 11 de novembro de 1975. Apesar da conquista da autonomia política essa nação viveu uma longa guerra civil provocada por divergências políticas entre os três movimentos, uma vez que a FNLA( Frente Nacional para Libertação de Angola) e, sobretudo, a UNITA(União Nacional para Independência Total de Angola) não se conformaram nem com a sua derrota militar nem com a sua exclusão do sistema político. Após décadas de conflito civil, o país enfrenta diversos problemas de caráter social. Esta guerra durou até 2002 e terminou com a morte, em combate, do líder histórico da UNITA, Jonas Savimbi. No país são encontradas grandes jazidas, sobretudo de cobre, manganês, fosfato, sal, chumbo, ouro, diamante, petróleo e outros.



-MOÇAMBIQUEfoi uma colônia portuguesa, que se tornou independente em 25 de Junho de 1975. Apesar da transição para a independência ter sido pacífica, Moçambique não conheceu a Paz durante muitos anos. Moçambique é um país que se situa no Sudeste da áfrica. Depois da independência, a guerra civil se apoderou do país, uma guerra entre a FRELIMO(Frente de Libertação de Moçambique ) e a RENAMO( Resistência Nacional Moçambicana). Esta guerra durou quase duas décadas até 1992 e deixou o país numa crise econômica.



-CHIFRE AFRICANO: Guerras civis na Somália e na Etiópia, e um conflito envolvendo a Etiópia e a Eritréia, somados à expansão do Sahel e ao descaso internacional, fazem dessa região uma das mais atrasadas do mundo.Outro fato , diz respeito a contaminação química que o país vem sofrendo. Por anos companhias e indústrias, inclusive com ligação a grupos mafiosos, tem utilizado a costa da Somália como depósito de lixo. Lixo industrial, metais pesados, lixo radioativo e produtos tóxicos que podem ser considerados armas de destruição em massa estão sendo despejados no país. Há relatos, ainda, de acordos entre companhias e traficantes para ser enterrado lixo nuclear em seus territórios. Containeres não identificados aparecem nas praias, e ao serem examinados constata-se que estão cheios de produtos tóxicos.Todos este lixo está agindo sobre a vida local, especialmente na população que vive próxima a costa, perto da capital Mogadishu.


 
-ARGÉLIA: Muçulmanos fundamentalistas tentam chegar ao poder em meio a uma guerra civil que se arrasta por mais de uma década.




-ÁFRICA DO SUL: O fim da política segregacionista do Apartheid em 1994 não pôs fim às desigualdades sociais. O país é assolado por lutas tribais e uma onda de criminalidade sem precedentes em sua história, que inviabilizam a retomada da economia.



-EGITO: o país passou por esse começo de ano por uma mudança política desencadeada por revolta popular. No dia 11 de fevereiro acabou ocorrendo a renúncia do presidente Hosni Mubarak, após 30 anos no poder. A decisão ocorreu  após 18 dias de violentos protestos de rua que deixaram mais de 300 mortos e 5 mil feridos. 

-O movimento popular  tem inspiração no levante que derrubou o presidente da vizinha Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, cujo governo se prolongava havia 23 anos.Além do Egito, os levantes no mundo árabe inspirados no exemplo da Tunísia se espalharam por Jordânia, Iêmen, Argélia, Mauritânia, Sudão e Omã. Aos 82 anos, Mubarak já havia apresentado alguns problemas de saúde e, depois da pressão popular, admitiu que não seria candidato a um sexto mandato na eleição presidencial. No lugar de Mubarak foi eleito  Mohamnad Morsi que ficou até no poder até 3 de julho de 2013, caindo também por fazer um governo truculento e que caminhava para uma nova ditadura.De lá prá cá o Egito vem explodindo em manifestações e confrontos entre apoiadores de Morsi  e a população. 




-LÍBIA: o país enfrenta protestos desde o final do mês de fevereiro,que já derrubaram presidentes de Egito e Tunísia.O ditador líbio,Muammar Kadhafi,  está no governo desde 1969, diz que só sai morto.A Líbia é o terceiro país da região conhecida como mundo árabe a enfrentar uma onda de revolta popular que pode culminar com o fim do regime do presidente, o ditador  Kadhafi, no poder há quase 42 anos. Os protestos na Líbia iniciaram no leste do país, onde a popularidade do ditador é historicamente mais baixa. As cidades de Benghazi, segunda maior do país e epicentro dos protestos, Tobruk e Derna, já foram tomadas por oposicionistas. Porém, as cidades mais próximas à capital Trípoli, como Minsratah e Zawiya também já estariam sob controle dos rebeldes, segundo jornalistas e moradores. O comando está na mão de "conselhos populares" que foram se formando ao longo dos últimos dias.



-TUNÍSIA: As inúmeras ondas de protestos que desbancou em poucas semanas os longevos governos da Tunísia e do Egito segue se irradiando por diversos Estados do mundo árabe. Depois da queda do tunisiano Zine Abdini Ben Ali e do egípcio Hosni Mubarak, os protestos mantêm-se quase que diariamente e começam a delinear um momento histórico para a região.



URGENTE:  



 -Os inúmeros conflitos que vem ocorrendo no mundo árabe, estão surpreendendo o mundo e há elementos comuns em todos os conflitos, onde podemos dar destaque:

-Em maior ou menor medida, a insatisfação com a situação político-econômica
-O clamor por liberdade e democracia; no entanto, a onda contestatória vai, aos poucos, ganhando contornos próprios em cada país e ressaltando suas diferenças políticas, culturais e sociais.



Prof kléber

.